pratadacasa

Destaques

Vídeo documental com a bailarina e coreógrafa Olga Roriz,
filmado em Lisboa, no Palácio Pancas Palha, em Dezembro de 2020.
>>Link

SMDbranco-curto

Digressão 2020


Autópsia

11 Jan., 21h30
Teatro Sá de Miranda,
Viana do Castelo

8 Fev., 21h
Teatro Joaquim Benite, Almada

21 Fev., 21h30
Centro de Artes de Águeda

26 Set., 21h30
CAE-Centro de Artes e Espectáculos, Figueira da Foz

27 Nov., 21h30
Casa da Cultura de Ílhavo
.

.


Seis meses depois

Estreia
18 Set. 21h
19 Set. 19h
20 Set. 16h
Teatro Nacional D. Maria II, Lisboa (Coprodução)

3 Out., 21h30
Casa das Artes de Famalicão
(coprodução)

31 Out., 21h30
Cine-teatro Louletano, Loulé
(coprodução)

branco

Digressão 2021


Autópsia

23  Jan.
Streaming
Teatro Nacional São João, Porto

29 Jan., 19h30
Em reagendamento
Teatro José Lúcio Silva, Leiria

29 Abr., 21h
Centro Cultural Malaposta, Lisboa

19 Nov.
Convento de São Francisco, Coimbra

.

A Casa (Título provisório)
Nova criação
Estreia Absoluta
21 Mai.
Teatro Municipal de Bragança

10 e 11 Jun.
Teatro Municipal Sá de Miranda,
Viana do Castelo

17 e 18 Set.
Teatro Aveirense, Aveiro

.


Seis meses depois

18 e 19 Fev.
Em reagendamento
Teatro Municipal Joaquim Benite, Almada

13 Mar.
Em reagendamento
Centro de Artes de Águeda

.

Antes que matem os Elefantes

5 Jun.
Seixal

branco-curto

Digressão 2022

A Casa (Título provisório)

13 e 14 Jan.
Centro Cultural de Belém, Lisboa

corpoemcadeia

Corpoemcadeia

Levar para contexto prisional um método de criação artística de uma Companhia de dança de autor, com quase 25 anos de vida.
A aplicação de um modelo amplamente experimentado por equipa artística coesa são fatores que geram motivação, confiança e responsabilidade entre reclusos, artistas e terapeutas.
Também acreditamos que qualidade e visibilidade do nosso trabalho artístico contribuirá para um maior alcance social, derrubando muros e preconceitos. Maior pegada artística. Maior pegada social.

Aquilo que constitui o ADN do Corpoemcadeia é a parceria entre o modelo artístico da Companhia Olga Roriz e um modelo de intervenção terapêutica que privilegia a consciência corporal, o aqui e o agora e que entende a existência humana como um processo criativo.

+Info

logos

FOR

FOR | Formação Olga Roriz

FOR Dance Theatre | Curso Modular 2021/22
1ª Fase de Audições | 29 de Maio às 10h
Inscrições abertas

Pré-Requisitos
Formação base/avançada em dança
Noções de composição
Capacidade de adaptação a várias linguagens coreográficas

Audição
Aula de Contemporâneo
Repertório (Companhia Olga Roriz)
Prova livre 3”

+Info | Email | Inscrições

 

mariana

Atelier de Criação
Por Mariana Tengner Barros

8, 15, 22 Mar.
12, 19, 26 Abr.
2ªs das 14h40 às 16h40
Online

Inscrições abertas

Filtros Fantásticos
Laboratório de experimentação criativa que indaga as possibilidades da dança, do movimento e da performance como prática política de ativação do corpo. Serão investigados modos de atenção e estados de consciência que permitam a reconfiguração dos filtros que usamos para entender a “realidade”. Através da pesquisa de movimento com base na perceção e sensação, conexão corpo-mente e expansão dos sentidos, preparar-se-á outro corpo, articulado, que exprime a linguagem não linear e complexa oriunda da tópica emocional, sensorial e imaginativa, permitindo que a forma apareça através da sensação e da atenção.

Carga horária | 12 horas 6 sessões
Preço | € 60 (-20% para os alunos Modular e ex-alunos FOR)
Transferência bancária: PT50 0018 000323478860020 58

 

 

sara-carinhas-2

Workshop de Escrita e Improvisação
por Sara Carinhas

8 Jan. a 26 Mar. 2021
6ªs das 14h40 às 16h40

Inscrições encerradas

Através de exercícios que utiliza no seu trabalho como encenadora, Sara Carinhas constrói um workshop que introduz elementos como a escrita, o contar de histórias, a auto-referencialidade, a ficção, ou a descrição, como formas de dar aos intérpretes ferramentas em torno do uso do texto – tanto para facilitar a explanação dos seus projetos e ideias artísticas – como para encontrar um outro relacionamento entre o corpo, a imaginação e a palavra.

 

FOR2

FOR Aulas Práticas

Para profissionais e estudantes de Dança, integradas nos cursos da FOR Dance Theatre
Aulas abertas a alunos externos mediante marcação

COVID-19 – De acordo com a declaração de novo confinamento em Janeiro 2021 e as orientações da DGS em curso, a Companhia Olga Roriz suspendeu todas as atividades regulares presenciais de estúdio.

+Info | Inscrições
 

universo-paralelo

Residências Artísticas

Universo Paralelo
Australopiteco

O que é ser diferente e como reagimos perante a diferença? Neste espetáculo de teatro para a infância, o objetivos é a inclusão, humanizar a relação da criança com a diferença através da compreensão e do respeito pelo outro, suscitando, desta maneira, a empatia e o altruísmo, e a aprendizagem de que o que nos une é mais forte do que o que nos separa.

Encenação e texto | Adriana Melo; Curadoria de texto | Alice Vieira; Intérpretes | Beatriz Brito, Clara Franco, Magnum Soares, Mia Meneses

 

Beatriz-Brito

Beatriz Brito
Quetzal

Os ténis eram brancos. Caminhei. Num ritmo que não sei bem qual era. E quando quis parar. Alguém gritou: “Corre.” Os ténis já́ não eram assim tão brancos. Não sei bem de que cor eram. Não tive tempo de parar. Corri. As pernas? Já́ não as sentia. Não sabia que podia parar. Parar? Não sabia o que era. Ouviram parar. Gritaram: “Não podes parar. Corre mais. Mais.” Corri. De resto pouco me lembro. Os ténis já́ não eram brancos. Já́ não tinham sola. Acho eu. Não reparei bem. Tinha de correr. Só́ me lembro de correr. E de pensar que os ténis. Brancos. Eram. E tinham sola. Ouviram-me a pensar e gritaram: “Tens de chegar. Corre.” Eu corri. Já́ não tenho ténis. Gritei eu. Mas eu corro.

Intérpretes: Beatriz Brito, Jéssica Brandão, Matilde Magalhães

Vania-Geraz

Vânia Geraz
País das Canções de Embalar (Country of Lullabies)

Quando dizemos “as canções/vozes do antigamente”, estas parecem indicar um acontecimento que se terá passado numa zona concreta do território (vozes no campo a trabalhar a terra, uma mãe a embalar um filho à beira do rio, um homem a gritar no alto do monte, um lamento perto do farol, vozes numa festa e risos perto da capela). Lembramo-nos dessas vozes/histórias que carregam um lugar e, também, uma ética, uma forma de viver.

Criação, interpretação e produção | Vânia Geraz

Filipe-Baptista

Filipe Baptista
Nadir

Como despir aquilo que não é essencial á nossa sobrevivência individual numa tentativa de nos defrontarmos mais direta e eficazmente com tudo aquilo que carregamos dentro de nós? Com as nossas memórias, marcas e batalhas. O quão necessário se torna termos um espaço sagrado de existência? O que é que o encontro com aquilo que é verdadeiramente bruto e primário potencia nesse processo? O que é que o encontro de um modo de estar mais cru, mais ancestral, desperta? Que combustível interno é que obtemos daí? Que força interna é gerada? Que instintos despertamos? Vislumbramos aqui um corpo encalhado num espaço de ruína, à deriva num ciclo de criação e destruição. Um corpo que caminha entre pequenos despertares e pequenas mortes.

Conceção, direção e performance | Filipe Baptista; Música e ambiente sonoro | João Mendes; Texto e apoio dramatúrgico | Bárbara Bruno; Cenografia e vídeo | Pedro Baptista

residencias

Residências Artísticas Anuais

Artistas residentes: João Rapozo, EIF(E), Camboja Selecta, André de Campos, The Portfolio Project, Manga Theatre, BodyBuilders & Rafael Alvarez. +Info