…“Se eu ao menos pudesse calar-me como se fosse o próprio silêncio.
Como se o silêncio soubesse mais do que eu. Não!
Preferia morrer de tédio.”…
Quero silêncio! A distância… As saudades… Já esqueceste?
Tudo me dói e há tanto tempo. Um monte de dores. Uma lixeira.”…
…”Amo-te… Amo-te desde que te vi pela primeira vez. Não pude evitar.
O amor nasce assim. Às vezes, só num olhar. Não se
pode resistir à felicidade.”…
…”A mim, nunca me contaram nada.
Por isso, eu calei-me. Calei-me até sentir essa pancada na nuca que me fez vomitar.”…
…”Nem um vislumbre de idealismo. Partilhar já não serve de nada.
Vocês, são-me completamente indiferentes!…
…”Estamos a morrer, não estamos? Mas se temos de morrer, que seja depressa!…

Olga Roriz
. Fevereiro 2000..

Direção
Olga Roriz
Interpretação
(2000/2014) Olga Roriz
(2015/…) Marta Lobato Faria
Paisagem sonora
António Viegas
Texto e Voz Off
Olga Roriz
Cenário
Paulo Reis e Olga Roriz
Figurino
Mariana Sá Nogueira
Desenho de luz
Clemente Cuba
Apoio dramatúrgico e ensaios
Paulo Reis
Vídeo e selecção de imagem
Olga Roriz e Paulo Reis
Montagem
Bruno Parrinha
Imagens de arquivo
S.I.C.